Clube de Xadrez OnLine

O site da comunidade enxadrística

Usuários on-line neste momento: 95 
Treinamento ON-LINE

Professor Gérson Peres Batista

Conheça o Treinamento ON-LINE com o Prof. Gérson Peres Batista.

O Espírito da Abertura

 

Portal CXOL

Acesse os sites que fazem parte do Portal Clube de Xadrez On-line

Jornal Xadrez Diário

Darcy Gustavo Machado Vieira LimaConheça o Jornal Diário de Xadrez do grande mestre e tricampeão brasileiro Darcy Lima.
Assinatura

Jornal Chess Today

Chess TodayO grande mestre irlandês Alexander Baburin dirige o principal jornal diário de xadrez do mundo.
Assinatura

Jornal NotiChess

Júlio GonzalezO Jornal NotiChess é diário e preparado por Julio Gonzalez, da Argentina, sendo distribuído em língua espanhola.
Assinatura

jogue on-line

Internet Xadrez Clube

Mudanças na nova lei do xadrez

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011 | 16:02

 

Novas leis da FIDE

 

Comentários do AI Antonio Bento sobre o que mudou na nova lei do xadrez

 

Artigo 4.6 (final)

 

A jogada é considerada legal quando todos os requisitos relevantes do Artigo 3 tiverem sido cumpridos. Se a jogada não for legal, deve ser efetuado outro lance legal conforme mencionado no Artigo 4.5.


Logo, quando a jogada for ilegal poderá ser feito outro lance (legal), em substituição.
É uma exceção à regra de ‘Peça Tocada é Peça Jogada’.
Muitos jogadores tinham dúvida quanto a este aspecto.

 

Artigo 6.6, (a e b)

 

a) Qualquer jogador que chegar ao tabuleiro após o início da sessão perderá a partida. Deste modo o período de ausência é 0 (zero) minutos. As regras da competição podem especificar de outra forma.

 

b) Se as regras de uma competição especificarem um período de ausência diferente, aplica-se o seguinte:
Se nenhum dos jogadores chegou no horário de início, o jogador com as peças brancas deverá perder todo o tempo decorrido antes de sua chegada, a menos que o regulamento da competição especifique ou o árbitro decida de outra forma.

 

A nova lei opta pela tolerância zero. Qualquer jogador que chegar atrasado perde a partida. Claro que a tolerância zero só prevalecerá se o regulamento técnico da competição for omisso sobre o assunto. Logo, o regulamento técnico poderá admitir por exemplo que será admitido atraso desde que não ultrapasse a um determinado período de tempo (uma hora por exemplo para as grandes cidades e meia hora, ou menos, para as demais cidades).


Artigo 6.10 (b)

 

b) Se durante a partida constatar-se que a regulagem de qualquer um ou ambos os relógios estava incorreta, qualquer um dos jogadores ou o árbitro deverá parar imediatamente os relógios. O árbitro deverá corrigir os tempos e o contador de lances. O árbitro deverá usar seu melhor julgamento para determinar a regulagem correta.


A alínea é novidade. Deverão ser corrigidos os tempos dos relógios se o árbitro notar que há erro, por exemplo:
a) no registro dos tempos;
b) no registro do incremento.
Qualquer um dos jogadores também poderá parar os relógios.
A nova regra teve como alvo principal o relógio digital

 

Artigo 7.4 (b)


Após a adoção das ações descritas no Artigo 7.4(a), para os dois primeiros lances ilegais feitos por um jogador, o árbitro deverá dar dois minutos extras ao oponente, a cada instância; para o terceiro lance ilegal efetuado pelo mesmo jogador, o árbitro deverá declarar a partida perdida para este jogador.
Entretanto, a partida está empatada, quando se alcança uma posição em que o oponente não pode dar xeque-mate no rei do adversário por qualquer sequência de lances legais possíveis.


O último parágrafo padroniza as decisões da arbitragem.
O jogador que fizer 3 lances ilegais não perde a partida na hipótese de o adversário não poder dar xeque-mate por qualquer sequência de lances legais possíveis.

 

Artigo 9.1 (a)

 

As regras de uma competição podem especificar que os jogadores não podem concordar em empatar em menos de um determinado número de lances nem de jeito nenhum, sem o consentimento do árbitro.


Deixa a critério do organizador, inibir ou não, os chamados ‘empates rápidos’.
O regulamento técnico da competição deve prever:
a) jogadores não podem empatar em menos de determinado número de lances  ou de forma nenhuma.
b) ou, jogadores poderão empatar a qualquer tempo por comum acordo, como estava previsto nos textos anteriores.


Artigo 9.4

 

Se o jogador toca numa peça conforme Artigo 4.3 sem ter reclamado o empate, perde o direito à reivindicação, com base nos Artigos 9.2 e 9.3, naquele lance.

 

Anteriormente, o jogador só perderia o direito se tivesse efetuado um lance; agora basta tocar numa peça.

 

Artigo 9.5

 

Se o jogador reclama um empate, com base nos Artigo 9.2 e 9.3, pode parar ambos os relógios. Não lhe sendo permitido retirar a reclamação.

 

Anteriormente, era obrigado a parar o relógio; agora é facultativo.

 

Artigo 9.5 (b)

 

Se a reclamação for considerada incorreta, o árbitro deverá adicionar três minutos ao tempo restante do oponente. Então a partida deverá continuar. Se a reclamação for feita com base em um lance pretendido, este lance deve ser feito de acordo com o disposto no artigo 4.


Árbitro apenas acrescentará 3 minutos ao tempo do adversário. Não mais diminuirá o tempo do reivindicante.
 Na lei anterior, o reivindicante era punido também com perda de parcela de tempo.
O ritual era bem complicado.

 

Artigo 10.2

 

Se o jogador com a vez de jogar tiver menos de dois minutos em seu relógio, pode reivindicar um empate antes da queda de sua seta. Deverá chamar o árbitro e poderá parar os relógios.

 

Anteriormente, era obrigado a parar o relógio; agora é facultativo.

 

Artigo 12.3 (b)

 

Sem a permissão do árbitro é proibido ao jogador portar celular ou outro meio de comunicação eletrônicos no salão de jogos, a menos que esteja completamente desligado. Se qualquer dispositivo produzir ruído o jogador deverá perder a partida. O oponente deverá vencer. Entretanto, se o oponente não puder vencer a partida por qualquer série de lances legais, seu escore deverá ser considerado como um empate .

 

Durante a partida, o jogador poderá portar um celular mas deverá estar totalmente desligado.
Anteriormente era proibido o ato de portar o celular.


Artigo 12.3 (c)


Fumar é permitido somente na área determinada pelo árbitro.

 

A alínea é novidade.
Claro que há muitos anos não é permitido fumar no salão de jogos.(Havia vedação no FIDE Handbook .


Artigo 12.6

 

É proibido distrair ou perturbar o oponente de qualquer maneira. Isto inclui reclamações sem cabimento, ofertas de empate também sem cabimento ou qualquer fonte de ruído na área de jogo.


A parte sublinhada é novidade. Árbitro poderá punir, por exemplo, jogadores que estejam fazendo ruídos na vez de jogar do adversário.(vide arts. 12.7 e 13.4)

 

Artigo 12.10 (d)

 

No caso do art. 10.2.d. ou Apêndice D o jogador não pode apelar contra decisão do árbitro.
Em qualquer outro caso um jogador pode apelar contra qualquer decisão de um árbitro, a menos que as regras da competição especifiquem de outra forma.

 

Continua vedado apelar contra decisão do árbitro nos casos do art. 10.2 d ou apêndice D. Mas, o regulamento poderá especificar quais outras decisões do árbitro não haverá apelo.

 

Artigo 13.7 (a)

 

Espectadores e jogadores de outras partidas não devem falar ou interferir numa partida de qualquer forma. Se for necessário, o árbitro pode expulsar os infratores do ambiente de jogo. Se alguém observa uma irregularidade, poderá informar somente para o árbitro.

 

A parte sublinhada é novidade. Agora, o espectador pode avisar o árbitro (discretamente) se observar uma irregularidade. Anteriormente era vedado.

 

Artigo 13.7 (b)

 

Exceto se autorizado pelo árbitro, é proibido a qualquer pessoa usar telefone celular ou qualquer dispositivo de comunicação no local de jogos e em qualquer outra área contígua determinada pelo árbitro.

 

O legislador estendeu a proibição a qualquer dispositivo de comunicação.

 

Apêndices

 

Houve remanejamento nos apêndices.

 

As partidas adiadas que eram reguladas pelo apêndice A  passaram para o final sob a denominação de “Linhas Mestras”

 

O APÊNDICE A passou a regular o XADREZ RÁPIDO

 

Apêndice (A1)

 

A 'Partida de xadrez rápido' é aquela onde todos os lances devem ser feitos num limite de tempo predeterminado de pelo menos 15 minutos, mas menos de 60 minutos para cada jogador; ou se o tempo principal + 60 vezes qualquer incremento é de pelo menos 15 minutos, mas menos de 60 minutos para cada jogador.

 

Consequentemente, partidas de 60 minutos ou mais passam a ser de Xadrez Pensado.
As partidas de xadrez rápido serão aquelas no intervalo de 15 a menos de 60 minutos.

 

Apêndice (A3)

 

Quando houver adequada supervisão de jogo, (por exemplo um árbitro para cada três partidas) aplicam-se as Regras de Competição (Xadrez Pensado).

 

Neste caso, o árbitro deverá atuar como numa competição de Xadrez Pensado.
A anotação todavia não é obrigatória. (A2)

 

Apêndice (A4)

 

Quando houver inadequada supervisão de jogo, aplicam-se as Regras de Competição, exceto onde forem regidos pelas seguintes Leis de Xadrez Rápido...

 

Na Supervisão Inadequada (há um número reduzido de árbitros)
Neste caso, o árbitro deverá observar as regras de Xadrez Rápido (Apêndice A4).
A anotação todavia não é obrigatória. (A2)

 

Apêndice (A4 d1)

 

A seta é considerada caída quando for feita uma reclamação válida neste sentido por um dos jogadores. O árbitro deverá abster-se de sinalizar uma queda de seta, mas poderá intervir se ambas as setas caírem.

Aplica-se nas competições sem supervisão adequada (rápido e blitz). O árbitro deverá intervir se ambas as setas caírem .


O APÊNDICE A passou a regular o XADREZ RELÃMPAGO

 

Apêndice (B2)

 

Quando houver adequada supervisão de jogo, ou seja um árbitro para cada partida, aplicam-se as Regras de Competição (Xadrez Pensado).
Logicamente sem anotação de partidas.
Na Supervisão Inadequada (não haverá árbitro por partida)
Aplicam-se as regras estabelecidas em B3.


Apêndice (B3c)

 

Um lance ilegal está completo assim que o relógio do oponente for posto em movimento. Antes de fazer o seu próprio lance, o oponente tem o direito de reclamar a vitória. Entretanto, o jogador tem o direito de reivindicar empate antes de fazer seu próprio lance, se o oponente não puder lhe dar xeque-mate por qualquer série de lances legais possíveis. Após o oponente completar o seu lance, um lance ilegal não pode ser corrigido, a menos que haja comum acordo sem intervenção de um árbitro.

 

O texto em negrito é novidade. O legislador faculta aos dois jogadores corrigirem lance ilegal, desde que haja comum acordo. Anteriormente era vedado.

 

O APENDICE  C passou a regular a DESCRIÇÃO DO SISTEMA ALGEBRICO

 

Apêndice (C13)

 

Não é obrigatória anotação de xeque, xeque-mate e capturas na planilha.
Passa a ser facultativa a anotação das expressões “+” (xeque), “#” (xeque mate) e “X” (captura).

 

O APENDICE D passou a regular FINAL ACELERADO SEM ARBITRO PRESENTE

 

O APENDICE E passou a regular REGRAS DE JOGO COM CEGOS e DEFICIENTES VISUAIS

 

O APENDICE F passou a regular o XADREZ RANDOMICO (Xadrez960)

 

É um jogo variante baseado no xadrez criado pelo ex-campeão mundial Robert Fischer, em 1966. A ordem das peças é escolhida aleatoriamente e ordenadas de acordo com certas regras pré-determinadas. O atual nome do jogo vem das 960 diferentes posições iniciais que podem ser selecionadas para o início do jogo.

 

OBS: Houve outras alterações/correções, de remissão e de semântica.

 

Fonte: AI Antonio Bento de Araújo Lima Filho

 
Copyright 2010-2014|Clube de Xadrez On-Line   Razão social: Irany Peres Batista ME |Praça da Abadia, 51   São Sebastião do Paraíso/MG   (35) 3558-9317 / 8859-5791